Desde 1978

Como fazer a manutenção preventiva do carro

Todo dono de carro sabe muito bem quão valiosa essa conquista é. Assim, mais do que comemorar, é importante se preocupar com a preservação de seu bem.
Nesse sentido, uma das medidas mais efetivas para auxiliar na duração da vida útil das peças e do veículo todo em si é a manutenção preventiva.
Mas muita gente ainda acredita que é um gasto desnecessário - o que só prova que elas desconhecem a real importância desse procedimento.
Então vamos compreender melhor como funciona a manutenção preventiva do carro, e como esse processo deve ser realizado corretamente. Vem conferir!


Quais são as principais vantagens da manutenção preventiva?


A principal função da manutenção preventiva é evitar e prevenir o surgimento de problemas no carro. Com isso, é possível dar conta deles antes que se tornem uma dor de cabeça ainda maior.
Assim, a realização do procedimento periódico é muito importante, e traz diversos benefícios, tanto para o veículo em si, quanto para o seu dono.
Interessado nestas vantagens? Nós apresentamos elas para você:

Não seja surpreendido negativamente

Grande parte dos problemas automotivos pode ser diagnosticado precocemente, de forma que sejam evitados. Isso acontece porque todas as peças têm uma vida útil, que deve ser respeitada para que tudo ocorra dentro do previsto.
Dessa forma, realizar uma manutenção preventiva permite que os componentes sejam substituídos no momento correto, diminuindo a chance de você se complicar.

Segurança em primeiro lugar

Outra vantagem bem importante de estar com a manutenção preventiva do carro em dia é a segurança. Claro, pois um carro mal cuidado, com peças desgastadas, oferece muito perigo - tanto para o motorista, quanto para seus passageiros e o trânsito como um todo.
Portanto, se você costuma rodar bastante com seu carro, ou distâncias muito grandes, não deixe de tratar esse assunto com a seriedade que merece, tá legal?

Gastos menores

Isso mesmo: embora muitas pessoas acreditem que a manutenção preventiva é um gasto extra, na verdade, é exatamente o contrário. Isso porque com todas as peças devidamente avaliadas, e em perfeitas condições, as constantes visitas aos mecânicos vão se tornar menos constantes.
Então tenha sempre em mente que as manutenções preventivas são mais baratas e econômicas do que as manutenções corretivas.
Além disso, um carro fora da normalidade, desregulado, costuma consumir mais combustível, além de gerar maior desgaste às suas peças.
Quer um exemplo bem prático? Balanceamento e alinhamento: se estiverem em dia, vão fazer com que o desgaste do pneu seja maior, sua vida útil se prolongue, e a troca por modelos novos seja adiada - tudo isso em segurança, é claro.
Precisa de mais um exemplo? Vamos pensar no óleo lubrificante: é mais barato mantê-lo no nível adequado, dentro da validade, do que ter que arcar com os gastos de um prejuízo no motor, certo? 
Acho que ficou bem clara a importância de serem respeitadas as manutenções programadas. Agora, quando elas devem ser feitas?

Quando realizar a manutenção preventiva?


As montadoras lhe fornecem todos os períodos exatos quando cada peça ou componente do seu carro precisa ser trocado - e esses valores variam de uma fabricante para outra.
Por isso, sua fonte mais confiável neste momento sempre será o manual de usuário que acompanha o seu veículo. Mantenha-o bem guardado e consulte sem restrições.
Quem também pode te ajudar bastante nessa hora é o seu mecânico de confiança. Além de conhecer todo o histórico do seu carro, ele vai te ajudar a compreender as singularidades do seu modelo, que podem ser diferentes de outro igual, por conta de alguns aspectos.
Por exemplo: a forma como você dirige pode afetar diretamente algumas peças, e com isso, diminuir ou aumentar sua vida útil.
Também podem fazer diferença a quantidade de pessoas que costumam viajar com você, o tipo de terreno que percorre, as distâncias, e outros pontos.
Então contar com o auxílio de alguém que conhece bem seus hábitos atrás do volante é essencial.
Aliás, se você precisar de mais uma mãozinha para ficar atento às especificações do seu fabricante, a gent
e tem uma dica bem bacana: alguns aplicativos destinados para ajudar na manutenção do veículo - vale testar e ver qual se encaixa melhor em seu cotidiano.
• Carrorama - disponível para Android;
• Carango - disponível para Android;
• Drivvo - disponível para Android;
• Carro 100% - disponível para iOS.

Um calendário para manutenção preventiva


Quer saber quais itens precisam ser trocados obrigatoriamente no prazo estipulado pela fabricante, e quais devem ser trocados conforme seu desgaste?
De acordo com profissionais da área, esses são os serviços que devem ser realizados na manutenção preventiva:

• Alinhamento dos pneus - 10 a 20 mil km;
• Correia do alternador - Junto com a correia dentada;
• Correia do compressor do ar-condicionado - Junto com a correia dentada;
• Correia dentada - 40 mil a 100 mil km, média de 60 mil km;
• Correia poly-v (bomba d'água) - Junto com a correia dentada;
• Filtro de ar - Junto com a troca de óleo;
• Filtro de cabine (anti pólen) - Uma vez ao ano;
• Filtro de combustível - 20 mil km;
• Filtro de óleo - Sempre que trocar o óleo;
• Fluido das transmissões - 60 a 100 mil km ou 2 a 4 anos;
• Fluido de freio (óleo do freio) - Seis meses a um ano;
• Limpeza do ar condicionado - Uma vez ao ano;
• Limpeza do sistema de arrefecimento - Quando trocar o líquido de arrefecimento;
• Líquido de arrefecimento - A cada dois anos;
• Óleo lubrificante - A cada 5 mil a 15 mil km (dependendo do tipo de óleo);
• Pneus - Validade de 5 anos;
• Velas - Podem variar de 15 mil a 100 mil km.

Agora, os itens abaixo devem ser verificados individualmente, para que o desgaste determine o momento certo da troca:


• Água do limpador de para-brisa: checar o nível;
• Buzina: cheque funcionamento se passar por alagamentos;
• Cintos de segurança: confira o desgaste visível ou histórico de colisão;
• Embreagem: verificar o kit de embreagem (carros manuais ou automatizados);
• Estepe: cheque a calibragem a cada 2 meses;
• Fluido da direção hidráulica: verifique o nível;
• Fluido de freio (óleo de freio): medir o nível de contaminação;
• Limpadores de para-brisa; verifique a condição das palhetas;
• Luzes; conferir faróis, lanternas, da cabine, e luzes de alerta no painel;
• Pneus: avalie o desgaste dos sulcos e calibragem;
• Sistema de carga: confira o alternador e bateria;
• Sistema de freios: verificar pastilhas e discos, ou lona e tambor;
• Sistema de suspensão: cheque amortecedor, bandeja, pivô, articulações, mola.

Quais itens merecem mais atenção


Quase todo o veículo precisa passar por uma revisão para que seja verificado o estado da vida útil em que se encontra.
No entanto, há algumas partes que exigem um cuidado maior, por serem de vital importância para um bom funcionamento do seu carro. Dá uma olhada em quais são:

Motor

Um dos principais componentes do carro. Vale conferir algumas peças do motor que se desgastam facilmente, como:
• velas de ignição;
• correia dentada;
• nível do líquido de arrefecimento;
• filtros (de óleo, de ar-condicionado, de combustível);
• reservatório de partida a frio;
• sistema de injeção eletrônica.
Não deixe de conferir o nível do óleo, bem como a sua validade - que deve ser respeitada, uma vez que ele perde sua função de lubrificação.
Também é importante dar atenção à qualidade do combustível que usa, uma vez que gasolina ou álcool adulterados podem acabar com a vida útil do seu carro.

Arrefecimento

O sistema de arrefecimento é responsável direto por evitar superaquecimento no seu veículo, que em alguns casos, podem até fundir o motor.
Então fique de olho no estado do radiador, bomba d’água, sensores de temperatura, válvula termostática e ventoinha, e o nível do fluído no reservatório.

Freios

Fundamental para a segurança, o sistema de freios merece muita atenção. Então confira periodicamente (ao menos, a cada 10 mil quilômetros rodados) o estado de componentes como:
• cilindro mestre;
• o nível do fluido de freio, que não deve ser completado com água em nenhuma hipótese;
• os canos e mangueiras, que podem romper e afetar o funcionamento do freio;
• as pastilhas, que desgastadas, diminuem o poder de frenagem do carro;
• os discos;
• as lonas, que afetam o funcionamento do freio de mão;
• os tambores, que são responsáveis por parar as rodas traseiras e sofrem desgaste constante.

Vale ainda frisar a importância que deve ser dada aos pneus, e ao alinhamento e balanceamento.
No caso dos pneus, além de afetarem a segurança, interferem na dirigibilidade, e podem trazer mais problemas para o carro. Por isso, verifique se estão em bom estado de conservação, com sulcos dentro da margem de segurança - indicada no próprio pneu. Se carecas ou desgastados demais, devem ser imediatamente substituídos.
Já o alinhamento e balanceamento podem aumentar o desgaste dos pneus, quando desregulados. Portanto, fique de olho em sinais como: dificuldade para manter o volante reto, trepidações, carro puxando mais para um lado do que outro. Quem também sofre aqui é o sistema de suspensão, que pode ficar bem caro para ser consertado depois.

Agora já deu para perceber que uma manutenção preventiva é muito importante e vantajosa, não? Então fique de olho e mantenha a saúde e vida útil do seu tão amado veículo sempre nas melhores condições.
Para isso, é só ficar de olho aqui em nosso blog e conferir todas as dicas que postamos. Assim, seu carro só tem a agradecer.E claro, se precisar de um novo companheiro em sua garagem já sabe quem procurar: Marinho Veículos, é claro. Afinal, tradição e respeito com o cliente você não encontra em qualquer lugar!




<   VOLTAR
>   AVANÇAR

VEJA OS VEÍCULOS
QUE COMBINAM COM VOCÊ

CLIQUE PARA visualizar todos nossos veículos